Blog

Triumph Bonneville T120

Foi em 1883 que Siegfried Bettmann, um alemão, se mudou para o Reino Unido onde, em 1887, criaria a marca de bicicletas Triumph.

Em 1895 começou o seu interesse pela produção de motociclos, mas não avançou devido à legislação inglesa…

Em 1902, depois da legislação ter sido alterada, Siegfried Bettmann lançou a primeira motocicleta da marca que viria a liderar o mundo das duas rodas motorizadas durante décadas.

No seguimento do desenvolvimento do motor bicilíndrico paralelo, lançado pela primeira vez em 1933 na Triumph 6/1, moto que foi um fracasso comercial total, seguido do sucesso da Triumph Speed Twin, lançada em 1937, e da Triumph TR6 Trophy, surgiu, em 1959, a Triumph Bonneville T120, a moto que marcaria o mercado motociclístico mundial de forma inigualável!

Em 1983 John Bloor comprou a marca e fundou a Triumph Motorcycles Ltd, companhia que continua o legado da marca Triumph nos nossos dias.

Finalmente, em 2001, foi lançada a terceira série da Triumph Bonneville.

Completam-se, este ano, 120 anos sobre o início da produção de motociclos pela Triumph. Este foi, também, o ano em que eu concretizei o sonho de ter a minha Triumph Bonneville, a minha Bonnie T120 1200! Provavelmente a melhor Bonneville de sempre!

Testemunhas de Jeová – Torre de Vigia

Caros amigos,

Sinto-me na obrigação moral e ética de vos informar de que, a partir de hoje, deixo de ter qualquer ligação às Testemunhas de Jeová – Torre de Vigia.

Tal posição resultou de profunda e longa ponderação e da minha análise da organização Torre de Vigia, que está por detrás das Testemunhas de Jeová. Podem ler os motivos da mesma aqui.

Bem hajam!

Postcrossing

Já ouviste falar neste site? É um site português através do qual podemos trocar postais, verdadeiros postais ilustrados, com pessoas de todo o mundo! Muito interessante! A inscrição é gratuita. Investiga e diverte-te!

Have you heard about this webpage? It’s a Portuguese webpage through which you can exchange postcards, real postcards, with people from all around the world! Very interesting! Joining the site is free. Give it a try and have fun!

Videovigilância à portuguesa…

Thread com os piores exemplo do funcionamento da videovigilância em Portugal (e por “funcionamento” entenda-se “autêntica bandalheira”).

Disclaimers:

1. Não recomendado a pessoas sensíveis a direitos, liberdades e garantias.

2. Estes exemplos são reais, dados pela própria CNPD. Nem todos os sistemas sofrem de todos estes problemas, esta é uma distinta selecção de tesourinhos.

3. Sendo uma thread sobre problemas de segurança (e não só) de sistemas de videovigilância usados pelas autoridades policiais, vai ser longa. Pedimos desculpa, mas culpa não é nossa. E não nos vamos dar ao trabalho de numerar os posts, a ver se ainda a conseguimos acabar hoje.


Ora, supostamente a PSP é a responsável pelo tratamento dos dados. Mas como a instalação e manutenção é feita entre municipios e empresas privadas, a PSP não tem legitimidade para pedir correcções e actualizações dos sistemas.

E há sistemas desactualizados? Óbvio. A CNPD encontrou software e firmware desactualizados, ainda na mesma versão de aquando a instalação, com todos os riscos de segurança que isso implica.

Estes contratos não têm quaisquer regras de protecção de dados, como a lei impõe, nem obrigam à credenciação dos técnicos junto do Gabinete Social de Segurança.

Mas a PSP pelo menos controla os perfis de administração do sistema, não? Nope!

Sistemas de controlo de acessos à sala de operações e data center: Num caso, o sistema estava avariado. Noutro caso, estava desligado. Nos restantes, os cartões de acesso eram facilmente clonáveis com apps gratuitas, e aqui “2FA” parece apenas ser uma sigla estranha.

Mas esta leva a taça: num dos casos, o data center (com controlos de acesso desligados) era o único caminho de passagem para o vestiários dos agentes. Sim, leram bem. Onde é que esta gente anda a espetar os data centers?

Também digno de destaque: utilização partilhada da rede do Município (em vez de redes segregadas). Mas esperem, que melhora: os dispositivos dessa rede estavam colocados no chão, em espaço público, podendo ser facilmente acedidos.

Sabem aqueles logs, i.e. os registos de operações no sistema, que têm o tipo de operação (ex: acesso, eliminação de filtros de privacidade) e quem a fez? CNPD apanhou casos em que eram I N E X I S T E N T E S.

Outros, às vezes, recebem visitas: a CNPD detectou acessos de utilizadores que não estavam autenticados no sistema, nem de serviço (escala). Terá sido um ataque? Não sabemos porque, nem a empresa, nem a PSP deram por eles.

Talvez porque sistemas que deviam funcionar em rede isolada curiosamente tinham Facebook, Twitter, Netflix, Skype e sabe-se lá que mais instalado.

A hora dos sistemas não estava sincronizada com a hora legal. Dispositivos e postos de trabalho não apresentavam as mesmas horas.

Nenhum dos sistemas tinham plano de Disaster Recovery, nem sequer backups. (Talvez este não conte como ponto negativo?)

O suposto barramento de locais privados (máscaras) *não* impedia a gravação de portas, janelas e varandas. 

Mas de qualquer forma, a opção de activar/desactivar estas máscaras de privacidade não ia para os logs, pelo que nada garante que elas estejam mesmo ligadas, ou que não possam ser desligadas a bel-prazer pelo voyeur de serviço.

Existência de mais de 400 pastas e 6000 ficheiros com fotos e vídeos guardados desde o início do funcionamento do sistema (quando deveriam ser apagados em 30 dias).

Isto é o estado ACTUAL das coisas. Antes da expansão e banalização da videovigilância que se está a discutir agora no Parlamento, e que ainda vai meter inteligência artificial, reconhecimento facial e sistema de gestão analítica de dados ao barulho…

Mas não se preocupem, que o Governo pediu para o Parlamento aprovar isto com o máximo de urgência, na contagem decrescente para a dissolução do Parlamento, portanto certamente todas as vossas preocupações relacionadas com direitos fundamentais serão tidas em devida conta, e todas as entidades devidas serão ouvidas.

By: D3

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑